Arquitetura dos ninhos

Arquitetura dos ninhos é constituída por dois elementos principais,o ninho e os potes de alimento. Cada espécie projeta seu ninho com suas características.

Arquitetura dos ninhos – São variados os locais onde os meliponíneos instalam suas colônias. Algumas espécies podem nidificar em cavidades no solo, em cupinzeiros ou formigueiros(abandonados ou ativos), em ninhos de pássaros desativados ou cavidades de construções feitas pelo Homem.

Colônia de Jandaíra instalada em tronco de árvore
Colônia de Jandaíra instalada em tronco de árvore
Entradas de colônias de canudo
Entradas de colônias de canudo

Outras constroem ninhos expostos ou semi-expostos em galhos de árvores ou fendas em rochas. Entretanto, a maior parte das espécies constrói seus ninhos em cavidades de troncos de árvores vivas, de espécies e dimensões diversificadas.

Arquitetura dos ninhos – Uma colônia de abelhas sem ferrão é constituída por dois elementos principais:

o ninho e os potes de alimento; além de estruturas auxiliares, como o invólucro, o batume, a entrada e o túnel de ingresso.

Os potes de alimento geralmente são elipsóides (em formato de ovo), construídos de cerume, e podem apresentar tamanhos variados conforme a espécie. Pólen e mel são armazenados separadamente. Portanto, em uma colônia de abelhas sem ferrão, podemos encontrar dois tipos de potes de alimento: potes de pólen e potes de mel.

Potes de pólen
Potes de pólen
Pólen coletado para consumo
Pólen coletado para consumo
Alguns tipos de potes de mel
Alguns tipos de potes de mel
Potes de mel
Potes de mel

A estrutura do ninho das abelhas sem ferrão é constituída de cerume e possui características diferentes conforme a espécie. Pode ser formada por células agrupadas, formando favos horizontais, ou em cachos, quando as células são esparsas e conectadas entre si por pequenos pilares de cerume.

Células de cria agrupadas em favos Os favos e os cachos são formados pelo conjunto das células de cria. Em cada célula de cria a rainha deposita um ovo que dá origem a uma nova abelha.

Os ovos são alojados nessas células com uma porção de alimento (mistura de mel, pólen e secreções das operárias) suficiente para a alimentação durante todo o período de desenvolvimento.

Depois de nascer, as abelhas se alimentam predominantemente de mel.

Para auxiliar a manutenção da temperatura do ninho, as operárias produzem lâminas de cerume, chamadas de invólucro. Como o nome diz, ele envolve o ninho, funcionando como um tipo de cobertor. Essas lâminas também auxiliam o trânsito das abelhas ao redor do ninho.

Células de cria agrupadas em favos
Células de cria agrupadas em favos
Células de cria unidas por pilares formando um cacho
Células de cria unidas por pilares formando um cacho

Uma colônia de abelhas sem ferrão é conectada com o ambiente exterior por meio de uma “porta” de entrada.

Diversamente associada a mecanismos de proteção e orientação das abelhas, a entrada pode ser construída com geoprópolis, barro ou cera.

Sua aparência é específica para cada tipo de abelha e, portanto, apresenta-se na natureza em variadas formas, diretamente proporcionais à diversidade de espécies existentes.

A entrada é conectada ao interior da colônia por um túnel de ingresso, geralmente ligado ao ninho através do invólucro. Trata-se de um corredor repleto de abelhas guarda.

Se algum inimigo natural conseguir passar pelas sentinelas da entrada, precisa enfrentar outro forte sistema de defesa antes de conquistar o ninho e os potes de alimento.

Entradas de colônias de abelhas sem ferrão
Entradas de colônias de abelhas sem ferrão

Os batumes são estruturas que delimitam o espaço da colônia em uma cavidade. O batume dos Trigonini costuma ser de cerume, geralmente constituído com uma grande quantidade de própolis.

O batume dos Meliponini é construído com geoprópolis. Em ambos os casos, o batume superior costuma ser muito compacto para evitar a infiltração de água, enquanto o inferior é crivado, ou seja, possui inúmeros orifícios que permitem o escoamento da água em caso de infiltração.

Os orifícios também auxiliam na ventilação da colônia.

A figura a seguir ilustra as estruturas básicas de uma colônia com as características da maior parte das espécies existentes e/ou criadas: habitar cavidades de árvores e ter o ninho formado por favos compactos, horizontais e sobrepostos.

Aspecto geral de uma colônia de abelhas sem ferrão em ambiente natural
Arquitetura dos ninhos – Aspecto geral de uma colônia de abelhas sem ferrão em ambiente natural

fonte: Manual Tecnológico Mel de Abelhas sem Ferrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.