Inimígos Naturais das Abelhas

Inimigos naturais das abelhas – Como se prevenir dos ataques destas pragas que podem acabar com um enxame. Forídeos e Formigas são as principais ameaças.

Forídeos – Inimigos naturais das abelhas

Inimigos naturais das abelhas – Sem dúvida alguma, os parasitas mais perigosos para as abelhas sem ferrão são os forídeos, pequenas moscas do gênero Pseudohypocera. Eles são os responsáveis pelas maiores dores de cabeça de um meliponicultor.

Inimígos Naturais - Forídeos
Inimígos Naturais das abelhas – Forídeos

Ao invadirem as colônias, as fêmeas destes insetos depositam seus ovos, de onde nascem larvas que se alimentam do mel e, principalmente, do pólen acumulado pelas abelhas.

Os forídeos prejudicam os estoques de alimento da colônia e, ainda pior, as células de cria nas quais o pólen é estocado para a alimentação das larvas em  desenvolvimento.

Estas mosquinhas são capazes de colocar muitos ovos em uma colônia parasitada. Como os ovos “amadurecem” muito rápido, as larvas infestam a colônia, e as consequências para as abelhas são desastrosas.

É no período chuvoso que os forídeos se reproduzem e atacam com mais intensidade. Portanto, é nas regiões e épocas mais úmidas que o meliponicultor deve investir mais atenção no combate às moscas.

A melhor forma de evitar problemas com forídeos é a prevenção.

Colônias fortes e organizadas não são presas fáceis para o ataque dos parasitas. Ou seja, a prevenção começa com o bom manejo das caixas.

Populações fortes mantêm as frestas das caixas vedadas e realizam com mais eficiência o trabalho de defesa na entrada e no túnel de ingresso, impedindo a invasão e a infestação.

O pólen é o grande recurso buscado pelos parasitas dentro da colônia. Portanto, o trabalho do meliponicultor no dia-a-dia (durante transferências, divisões, avaliações e coleta) deve buscar causar o mínimo dano possível aos potes de pólen.

O mesmo vale para as células de cria verde, onde a presença de pólen é maior, já que as larvas ainda não o consumiram. A rotina de visitas do meliponicultor ao meliponário também é importante para o combate aos forídeos.

As vistorias periódicas realizadas nas colônias possibilitam ações imediatas a episódios de invasão, minimizando a probabilidade de infestação avançada.

Armadilha de vinagre é o melhor remédio para combater forídeos

O vinagre tem um cheiro ácido, semelhante ao gerado pelo pólen exposto e/ou mel derramado, grande atrativo para as mosquinhas entrarem nas colônias. Atraídos por esse cheiro, acabam caindo no líquido, onde morrem.

A confecção das armadilhas é muito simples. Basta fazer alguns furinhos na tampa de recipientes que caibam em lugares acessíveis das colmeias, preenchê-los até a metade com vinagre e um pingo de detergente e introduzi-los em colônias atacadas.

Em cada inspeção, o vinagre deve ser trocado, até que não apresente mais forídeos capturados.

É importante que os furos sejam grandes o suficiente para a entrada dos forídeos, mas pequenos o suficiente para não permitir a entrada das abelhas, que também são atraídas pelo vinagre.

Indica-se o uso de furos com 2/3 milímetros de diâmetro. Aconselha-se que as armadilhas sejam colocadas nas melgueiras, assim podem ser monitoradas durante as alimentações.

Armadilha para Forídeos
Armadilha para Forídeos

Formigas – Inimigos naturais das abelhas

Formigas são atraídas para a colônia pelo cheiro de alimento. Mais uma vez, manusear as caixas de forma cuidadosa e evitar a exposição dos potes de pólen e mel são as melhores formas de evitar os ataques.

Quando ocorrem, os ataques geram muita briga entre formigas e abelhas.

Por mais que na maior parte das vezes os meliponíneos sejam capazes de se defender, o prejuízo na população de abelhas pode ser catastrófico.

Uma boa estratégia para evitar a preocupação é impregnar os suportes das caixas com óleo queimado, alternativa viável  principalmente em meliponários de suportes individuais.

A substância, facilmente adquirida em postos de troca de óleo, repele as formigas, impedindo que subam para as caixas.

É importante destacar que o produtor focado na produção de mel orgânico não pode utilizar essa alternativa, uma vez que o óleo queimado não é permitido pelos órgãos de certificação.

Suporte contra formigas impregnado com óleo queimado
Suporte contra formigas impregnado com óleo queimado

fonte: Manual Tecnológico Mel de Abelhas sem Ferrão

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *