Abelhas Nativas Sem Ferrão

Abelhas nativas sem Ferrão são abelhas da subfamília chamada Meliponíneos. Popularmente são conhecidas por abelhas sem ferrão por não terem um ferrão como arma de defesa.

Abelhas nativas sem ferrão também são chamadas de Abelhas Nativas. São excelentes polinizadoras e produzem um mel com propriedades medicinais muito valorizado no mercado.

Abelha Mandaçaia coletando Néctar

Abelhas nativas sem ferrão – Polinização

As abelhas nativas sem ferrão possuem uma função muito significativa no ecossistema. Principalmente pela polinização das plantas e manutenção dos ecossistemas agrícolas que produzem nosso alimento. Alem de produzirem um mel muito saboroso e rico em propriedades medicinais. É estimado que um terço das alimentação humana depende diretamente da polinização das abelhas.


Faça parte do nosso Grupo de Whatsapp, Acesse o Link:


LEIA TAMBÉM NOSSOS ARTIGOS SOBRE:


Abelhas nativas sem ferrão – Arquitetura do ninho

As abelhas nativas instalam suas colônias em variados locais. Algumas espécies nidificam no solo, em cupinzeiros, formigueiros e até mesmo em cavidades de construções feitas pelo homem. Entretanto a grande maioria das espécies constrói seus ninhos em cavidades de troncos de árvores vivas.

Uma colônia de abelhas nativas sem ferrão é constituída por dois elementos principais:

O ninho e os potes de alimento; além de estruturas auxiliares, como o invólucro, o batume, a entrada e o túnel de ingresso.

Os potes de alimento geralmente são elipsoides (em formato de ovo), construídos de cerume, e podem apresentar tamanhos variados conforme a espécie. Pólen e mel são armazenados separadamente. Portanto, em uma colônia de abelhas nativas sem ferrão, podemos encontrar dois tipos de potes de alimento: potes de pólen e potes de mel.

Potes de pólen
Potes de pólen
Alguns tipos de potes de mel
Alguns tipos de potes de mel

A estrutura do ninho é feita de cerume que serve para proteger as crias e mante-las aquecidas. As crias, na maioria das espécies são dispostas em forma de discos horizontais, algumas espécies apresentam as crias em forma de cachos.

Abelhas Mandaçaia - Discos Maduros - Divisão
Abelhas Mandaçaia – Discos Maduros – Divisão
Aspecto geral de uma colônia de abelhas sem ferrão em ambiente natural
Aspecto geral de uma colônia de abelhas sem ferrão em ambiente natural

Abelhas nativas sem ferrão – Ciclo de vida

A postura da rainha, nos discos de cria, dá vida a todas as abelhas existentes em uma colônia. O processo de nascimento de uma abelha é iniciado com a construção das células e favos de cria, passando, a seguir, pelos seguintes passos:

Processo de nascimento de uma abelha
Processo de nascimento de uma abelha

No vocabulário dos meliponicultores, os favos de cria na fase de ovo até pré-pupa são chamados de “cria verde” ou “postura”, enquanto os favos na fase de pré-pupa até abelha adulta são chamados de “cria madura” ou “cria nascente”.

O processo de desenvolvimento de uma abelha sem ferrão, desde o ovo até a abelha adulta, dura aproximadamente 40/45 dias, variando de espécie para espécie. Este período costuma ser um pouco mais longo para os machos e pouco mais curto para as rainhas virgens.

Após sair das células (emersão), operárias e rainhas virgens vivem em média 50/55 dias. As rainhas, entretanto, depois de tornarem-se rainhas poedeiras, vivem de um a três anos.

Abelhas nativas sem ferrão – Classificação

As abelhas nativas sem ferrão são classificadas como insetos sociais, ou seja, vivem em grandes comunidades. Assim possuem uma classificação científica que separa as abelhas nativas sem ferrão em dois grupos distintos Meliponini e Trigonini.

As abelhas Meliponini são unicamente do gênero Melipona caracterizadas por serem abelhas maiores e mais robustas. As Trigonini são chamadas popularmente de Trigonas, são as outras abelhas que não são do gênero Melipona e são abelhas menores.

A diferença entre as abelhas Meliponini e Trigonini são basicamente no processo de formação de uma rainha. Abelhas Trigonini necessitam de uma célula real para formar uma princesa virgem enquanto que as Meliponini produzem princesas por proporção genética.

As abelhas nativas sem ferrão assim como outros insetos sociais, possuem famílias divididas em castas. Existem três tipos básicos de abelhas em uma colônia, as rainhas, as operárias e os machos.

A rainha é responsável pela postura dos ovos que darão origem a todos os tipo de abelhas, princesas, operárias e machos.

As operárias são os indivíduos mais abundantes da população de uma colônia. Então são responsáveis pelas tarefas de defesa do ninho, limpeza, construção das estruturas do ninho e coleta de alimento.

Os machos por fim, são indivíduos reprodutores e basicamente vivem para acasalar princesas virgens. Assim diferentemente dos machos de Apis Mellifera, os machos de abelhas sem ferrão ainda realizam alguns pequenos trabalhos como a desidratação de néctar e a manipulação de cera.

Abelhas nativas sem ferrão – Divisão de trabalho

As abelhas operárias são a grande força de trabalho de uma colônia. O tipo de trabalho realizado obedece a uma sequência, variando de acordo com a idade da abelha ao longo dos seus 50/55 dias de vida.

Sendo assim, geralmente todos os indivíduos realizam todos os tipos de atividades, organizadas na seguinte ordem:

1. Nas primeiras horas após o nascimento, as abelhas realizam a limpeza corporal e permanecem sobre os favos de cria produzindo cera, secretada por glândulas específicas em forma de pequenas placas brancas;

2. Nos primeiros dias, cuidam da cria manipulando cera: raspam as células de pré-pupa, constroem células de cria e auxiliam as atividades de postura da rainha;

3. A partir do primeiro terço de vida, ou seja, a partir do 18° dia, passam a exercer atividades como limpeza e manipulação de alimento, mas não deixam de realizar as outras funções que vinham exercendo;

4. É somente na segunda metade da vida, ou seja, após o 25° dia, que passam a exercer atividades no ambiente exterior. Nessa fase, as operárias também são chamadas de campeiras. Saem para o campo em busca de pólen, néctar, barro, resina (própolis) e água. Geralmente, antes da fase de campeiras, alguns indivíduos da mesma idade fazem a guarda da entrada e do túnel de ingresso, defendendo a colônia. Nessa função, são chamados de sentinelas.

Abelhas nativas sem ferrão – Reprodução e Enxameagem

A enxameagem é o processo pelo qual as colônias de abelhas nativas sem ferrão se reproduzem.

Geralmente ocorre por conta da superpopulação da colônia, e está associado a um contexto de generosa oferta de alimento (pólen e néctar) no ambiente.

A enxameagem tem início quando algumas abelhas operárias deixam a “colônia-mãe” e vão em busca de uma novo local para instalar uma nova colônia.

O cerume, mel e pólen para iniciar a construção do ninho na nova colônia, ou colônia filha, é retirado da colônia mãe.

Concluída a organização da nova moradia, parte das abelhas operárias e uma rainha virgem migram para o local. A rainha virgem é fecundada por um macho – geralmente de outra colônia – em um ritual conhecido como “vôo nupcial”.

Uma vez fecundada, a rainha – agora poedeira – retorna ao ninho, estabelecendo a rotina biológica de uma colônia estabelecida.

Enxamagem das abelhas sem ferrão
Enxamagem das abelhas sem ferrão

Espécies de Abelhas sem Ferrão:

Cada região do Brasil possui suas principais espécies de abelhas nativas. Acesse nosso artigo que possui uma lista com as principais espécies de abelhas nativas de cada região do Brasil.

Abelhas nativas sem ferrão – Meliponicultura

A criação de abelhas nativas sem ferrão é chamada de meliponicultura. Portanto a meliponicultura é exercida a muitos anos por povos indígenas em toda a América Latina. No Brasil existem cerca de 400 espécies de abelhas nativas sem ferrão, das quais 200 estão em extinção.

Como começar a Meliponicultura

Portanto agora que você sabe um pouco sobre as abelhas nativas sem ferrão e gostaria de começar a criar abelhas nativas sem ferrão, recomendamos você iniciar a leitura sobre como começar a meliponicultura. Assim este artigo trás um passo a passo das primeiras ações que você deve fazer para se tornar um meliponicultor.

2 Comentários


    1. Obrigado Maria Cristina!

      A identificação de algumas espécies como por exemplo as Plebeias podem ser bastante complicada, pois são difíceis de perceber a olho nu.
      Algumas abelhas mais populares como Jatais, Mandaçaias etc. são mais fáceis de identificar.

      Aqui no site temos a sessão das espécies de abelhas onde cada espécie possui sua descrição e fotos. Assim comparando com as fotos do site pode ser que você consiga identificar as espécies desejadas.
      Outra alternativa é perguntar em grupos de Whatsapp ou facebook. Geralmente as pessoas conseguem identificar rapidamente.

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.