Divisão de Colônias de Abelhas Nativas

Divisão de Colônias de Abelhas Nativas – Métodos de divisão de colônias para multiplicações de enxames com sucesso. Método de perturbação mínima e doação de favos.

Divisão de Colônias de Abelhas Nativas – A divisão de colônias tem como objetivo gerar uma nova colônia a partir de uma colônia forte.

De maneira geral o processo de divisão de colônias de abelhas nativas consiste em dividir os elementos de uma colônia forte. As abelhas, os discos de cria e os potes de alimentos divididos entre duas caixas. Sendo uma delas a colônia forte doadora, chamada de colônia mãe ou colônia matriz. E a outra nova colônia que vai receber os elementos, assim chamada de colônia filha ou colônia divisão.

A divisão de colônias de abelhas nativas ajudam na conservação das espécies de abelhas nativas. Assim expandindo a quantidade de colônias espalhadas por todo território brasileiro. Este processo também ajuda na recuperação de ambientes degradados além de ser uma alternativa econômica para o meliponicultor.

A seguir, serão apresentados alguns métodos de divisão de colônias de abelhas nativas, levando-se em conta as diferenças básicas entre os grupos Meliponini e Trigonini.

Método da doação de favos – Divisão de Colônias de Abelhas Nativas

Trata-se do método mais tradicional, empregado de forma semelhante pela meliponicultura tradicional em diversas regiões do Brasil.

Neste método, a “colônia mãe” cede de dois a quatro favos de cria madura, aquela de coloração mais clara amarelada, para o povoamento de uma caixa nova, ou “colônia filha”.

A cria madura contém abelhas prestes a nascer e, portanto, proporciona o estabelecimento mais acelerado do trabalho das operárias na caixa nova.

Diferenças entre Meliponas e Trigonas

A principal diferença entre as abelhas Meliponas e Trigonas é no nascimento de princesas. Portanto as abelhas nativas do gênero Meliponas geram princesas virgens que se tornarão futuras rainhas por proporção genética.  Ou seja, 25% das abelhas que nascerem no disco de cria serão princesas virgens. Assim as células de crias de princesa, operárias e zangões são do mesmo tamanho. Portanto para realizar a divisão de colônias de abelhas Meliponas basta a colônia mão ceder os favos maduros para a colônia filha.

Abelhas Mandaçaia - Discos Maduros - Divisão
Abelhas Mandaçaia – Discos Maduros – Divisão

Já as abelhas do gênero Trigonas, as princesas virgens nascem a partir de células reais ou realeiras. Este detalhe é muito importante na divisão de colônias de abelhas trigonas, pois para o sucesso da divisão é necessário no mínimo uma realeira nos discos doados pela colônia mãe. Assim esta princesa virgem que nascer desta célula real se tornará a rainha da colônia.

Divisão de Colônias de Abelhas Nativas - Células reais de Abelha Jataí
Divisão de Colônias de Abelhas Nativas – Células reais de Abelha Jataí

Os discos de cria maduros devem ser apoiados em bolotas de cerume para não ficarem em contato direto com o fundo da caixa. Assim as abelhas podem fazer a manutenção e limpeza nos discos de cria.

Divisão de Colônias de Abelhas Nativas -Método da Doação de Favos
Divisão de Colônias de Abelhas Nativas -Método da Doação de Favos

É aconselhável fornecer cera alveolada ou cera da própria caixa mãe para a caixa filha. Assim as abelhas operárias aceleram o processo de proteção dos discos de cria e de produção de potes de alimentos. O orifício de entrada da caixa também pode ser diminuído com a utilização de cera. Assim as abelhas moldam o tamanho da entrada que lhes agrada e ajuda na proteção da colônia.

Depois destes procedimentos a colônia filha deve ser colocada no lugar da colônia mãe. Assim, ela receberá as abelhas campeiras que colaborarão na defesa e organização da nova caixa. A caixa filha deve ter todas as frestas vedadas com fita crepe para evitar ataques de forídeos entre outros predadores.

A colônia mãe deve ser transportada e instalada em um lugar distante, a no mínimo 10 metros, evitando que o cheiro da rainha ali presente atraia as campeiras de volta para a caixa mãe. É possível confinar a caixa mãe por três dias sem nenhum problema, assim garante que as abelhas campeiras não irão voltar para ela.

Divisão de Colônias de Abelhas Nativas - Distância entre Colônia Mãe e Colônia Filha
Divisão de Colônias de Abelhas Nativas – Distância entre Colônia Mãe e Colônia Filha

Três dias após a divisão de colônias de abelhas nativas é possível oferecer alimentação artificial para a colônia filha.

Depois de 30 a 40 dias é possível observar se a rainha se desenvolveu. Esta observação deve ser feita nas revisões periódicas.

Método da doação de favos 2 para 1 – Divisão de Colônias de Abelhas Nativas

Opcionalmente, é possível utilizar uma terceira colônia como doadora de campeiras. Nesse caso, a colônia mãe permanece em seu lugar original. E a colônia filha que recebeu os discos de cria da colônia mãe é colocada no lugar desta terceira caixa. Assim a terceira caixa que deve ser colocada a uma distância de 10 metros da caixa filha.

Este método visa diminuir os impactos causados pelas divisões de colônias visto que a colônia mão cede apenas os discos de cria e a terceira colônia cede apenas suas campeiras.

Etapas da divisão de colônias de abelhas nativas com o método de doação de favos
Etapas da divisão de colônias de abelhas nativas com o método de doação de favos

Método de perturbação mínima – Divisão de Colônias de Abelhas Nativas

Trata-se de um método que depende da utilização de um modelo de caixa específico, no caso a “Fernando Oliveira” ou  Caixas INPA.

Uma das grandes qualidades deste modelo de caixa é justamente possibilitar a divisão de enxames através do método de “perturbação mínima”, idealizado pelo criador da caixa.

Neste método é obtido duas colônias através da divisão de uma colônia sem a necessidade de manusear os diascos de cira com as mãos. A vantagem deste método é a acelerada recuperação das duas colônias e a menor incidência de ataques de pragas após a divisão.

Na imagem abaixo podemos observar o procedimento de divisão. A caixa central é a colônia mãe que é dividida entre duas colônias. Cada uma das novas colônias recebe uma módulo com discos de cria e um módulo com alimentação.

Divisão de Colônias - Distribuição dos elementos durante a divisão de uma colônia com duasmelgueiras cheias
Divisão de Colônias – Distribuição dos elementos durante a divisão de uma colônia com duas melgueiras cheias

No momento da divisão o meliponicultor deve observar os elementos internos da colônia. Verificando em quais módulos ficaram os diferentes favos: verdes (postura) ou maduros (nascente).

De forma semelhante ao método de doação de favos, a colônia que ficar com a maior parte dos favos de cria madura deve ser transportada a uma distância mínima de 10 metros. E a outra colônia deve ser colocada no lugar da colônia mãe.

Essa condição é diagnosticada no momento da separação de módulos, com base nos favos observados no fundo da colônia dividida. Caso o módulo inferior (fundo) apresente favos de cria verde, constata-se, que os favos maduros ficaram em cima, ou seja, no módulo de divisão (ou sobre ninho).

Para as espécies do gênero Trigonini, esse método é um pouco mais complexo. Uma vez que na velocidade da separação dos módulos é difícil visualizar as células reais. Assim para o sucesso da divisão por este método, deve se garantir que uma das colônias tenha a rainha e a outra colônia tenha as células reais.

É muito difícil prever se esta situação irá mesmo ocorrer, portanto este método não é recomendado para abelhas de gênero trigonas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.