Manejo de Colônias de Abelhas Nativas

Manejo de Colônias de Abelhas Nativas – Saiba qual a freqüência e procedimentos com que se deve examinar uma colônia de abelhas para avaliar seu desenvolvimento.

Manejo de Colônias de Abelhas Nativas – Uma dúvida muito comum entre os meliponicultores se diz a respeito ao manejo de colônias de abelhas nativas. Principalmente referente a frequência em que se deve abrir o enxame para avaliação.

Na verdade não existe uma frequência correta. Depende da espécie criada e dos objetivos da criação. E o mais importante, se o enxame é uma matriz ou uma divisão.


Faça parte do nosso Grupo de Whatsapp, Acesse o Link:


LEIA TAMBÉM NOSSOS ARTIGOS SOBRE:


Muitos meliponicultores tem o receio de abrir as caixas para a avaliação do desenvolvimento. Muito por conta do dano gerado a cada abertura da caixa. Por isso é muito importante que seja utilizada uma caixa apropriada para a criação das abelhas nativas.

É recomendado a utilização de caixas que possuem divisão por alças. Assim dividem ninho da alimentação, como por exemplo as Caixas INPA que possibilitam uma maior frequência de avaliações do enxame.

Portanto a utilização de uma caixa apropriada e o cuidado no manuseio no momento da avaliação, preservam a  saúde e integridade do enxame.

Manejo de Colônias de Abelhas Nativas
Manejo de Colônias de Abelhas Nativas

Abrindo apenas o espaço da melgueira, o ninho não fica exposto as variações de temperatura. Vale lembrar que não se deve abrir a caixa com temperaturas baixas, o ideal é acima de 20 graus. No inverno, para realizar as revisões periódicas, as colônias podem ser levadas para um ambiente fechado com uma temperatura superior a temperatura ambiente.

Revisões Periódicas de Colônias

A frequência de verificação do desenvolvimento do enxame depende da situação do mesmo. Colônias mais fracas requerem uma maior atenção. Portanto é recomendado a revisão de 15 em 15 dias. Enxames mais fortes podem ser revisados a cada 30 dias. Vale lembrar que o meliponicultor deve ficar atento ao comportamento externo da colônia. Enxame com diminuição de atividade externa deve ser revisado com mais frequência para ser constatado o problema.

A seguir, serão apresentadas as principais atividades que o meliponicultor pode, ou deve, realizar no dia-a-dia de manejo das colônias.

Manejo de Colônias de Abelhas Nativas no Inverno

Com a chegada do inverno, o meliponicultor deve ficar atento e acompanhar o desenvolvimento dos enxames. Com a baixa florada do inverno a fonte natural de alimento das abelhas fica escassa e as vezes é necessária a intervenção do meliponicultor.

Enxames Matrizes – Manejo de Colônias de Abelhas Nativas no Inverno

Alimentação no Inverno

Enxames matrizes podem ter um bom estoque de alimentação coletada durante toda a época de florada. Assim não sendo necessária a alimentação artificial. As revisões periódicas irão determinar se o enxame necessita receber a alimentação complementar. Um indicativo é a observação de muitos potes de alimento abertos e sem alimento. Assim se faz necessário a introdução de alimentação artificial no enxame.

Deve ser oferecido 50 ml de alimentação artificial a cada três dias até que o enxame reabasteça os potes de alimento e tenha um bom estoque de alimento. Esta situação deve ser revisada a cada revisão periódica feita na colônia.

Caso o objetivo do meliponicultor seja a coleta de mel. A alimentação artificial deve ser interrompida 30 dias antes do inicio da florada para que o xarope não se misture ao néctar coletado pelas abelhas na natureza.

Ninho

É muito importante a verificação da postura da rainha. Esta verificação deve ser feita em uma menor frequência, de 45 em 45 dias, pois a abertura do invólucro do ninho gera um estresse muito grande na colônia. Assim se constatado a falta de postura significa que a rainha entrou em diapausa por conta da falta de oferta de alimento na natureza.

Esta situação é resolvida introduzindo alimentação artificial na colônia. Esta alimentação deve ser feita com 50 ml de xarope a cada 3 dias e um bombom de pólen por semana. Esta alimentação deve ser introduzida até ser observado o inicio de postura da rainha. Depois de contatada a retomada de postura a alimentação deve ser diminuída gradativamente.

Inimigos das Abelhas

Toda a revisão periódica deve ser observado se o enxame esta livre de forídeos entre outras pragas. Caso seja constatado a existência de algum invasor na colônia, deve ser tomadas as medidas necessárias para acabar com os inimigos naturais das abelhas.

Enxames Divisões – Manejo de Colônias de Abelhas Nativas no Inverno

Alimentação no Inverno

Enxames que foram divididos na primavera ou até mesmo no verão podem não ter conseguido estocar alimento suficiente para aguentar a escassez de florada do inverno. O meliponicultor deve ficar muito atento a estas colônias para garantir o desenvolvimento saudável do enxame. Nestes casos a alimentação com xarope e bombons de pólen é imprescindível.

A oferta de alimentação artificial para a colônia deve ser feita de acordo com a demanda necessária. Inicialmente ofereça 50 ml de xarope a cada 3 dias e um bombom de pólen por semana. Enquanto for observado que as abelhas continuam coletando o xarope do alimentador, ele deve continuar sendo oferecido. O mesmo vale para o bombom de pólen, que deve ser oferecido caso o bombom anterior esteja sendo consumido. É muito importante não deixar faltar o bombom de pólen, que é a principal fonte de alimento das abelhas novas.

Ninho

A postura da rainha deve ser monitorada para garantir a sobrevivência da colonia. Se o enxame tiver alimento estocado, a rainha fará a postura nas células de cria garantindo o ciclo de vida das abelhas.

Caso não seja verificada a existência de uma rainha e nem mesmo de discos de cria, deve-se pegar um ou dois discos de cria maduros de um enxame forte para introduzir nesta colônia. Assim uma princesa pode nascer dos discos nascentes e se tornar rainha da colônia. De 30 a 40 dias o enxame deve estar com uma nova rainha. Caso não seja observada nova rainha após este período, o procedimento deve ser repetido.

Inimigos das Abelhas

Colônias novas estão mais vulneráveis a ataques. É muito importante que em toda a revisão periódica, seja observado se há invasores na caixa. Iscas contra forídeos no meliponário são imprescindíveis nesta etapa da colônia.

Manejo de Colônias de Abelhas Nativas no Verão

Alimentação no Verão

Em estações com temperaturas mais elevadas a oferta de alimento da natureza é abundante. Assim não se faz necessário a alimentação artificial para as colônias. Exceto se for verificada o baixo número de campeiras em determinada colônia. Portanto deve-se alimentar somente enxames que não estão conseguindo coletar alimentação na natureza. Assim segue a mesma receita oferecendo 50 ml de xarope a cada três dias e um bombom de pólen por semana até ser verificada o aumento de movimentação na colônia.

Ninho

A postura da rainha também deve ser observada nas revisões periódicas. Em enxames fracos, para observar se a postura da rainha esta correta. E em enxames fortes, para observar se a colônia esta em ponto de divisão.

Inimigos das Abelhas

Sempre deve ser observado se há algum invasor no enxame. E tomada as devidas medidas contra inimigos das abelhas caso seja encontrado algum problema.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.